Notícia

img

CONCURSO PRF: DIRETOR-GERAL PEDE ACRéSCIMO DE 500 VAGAS NA SELEçãO O CONCURSO DA PRF PODE TER MAIS VAGAS.


O diretor-geral, Renato Dias, tenta o aumento da oferta. O edital fica para o segundo semestre

Quem aguarda o concurso da Polícia Rodoviária Federal poderá ter boas novidades nos próximos dias. Isso porque a PRF negocia com o Ministério do Planejamento o acréscimo de 500 vagas na seleção. Se concedido, o concurso PRF passará a ter mil vagas. Por essa negociação, porém, o edital deve ficar para o segundo semestre, já que esse pedido de mais vagas vem atrasando a portaria autorizativa.

A princípio, estão autorizadas, extraoficialmente, 500 vagas para o concurso PRF. A confirmação delas só acontecerá com a publicação do aval no Diário Oficial da União. A divulgação da portaria autorizativa depende da confirmação desse quantitativo, que deve ser definido ainda esta semana.

A publicação dela está prevista agora para o segundo semestre. 'O custo para mil vagas é o mesmo', afirma FenaPRF O pedido de mais vagas do diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, Renato Dias, ao Ministério do Planejamento é resultado da intenção dele de amenizar o atual cenário de grave déficit de pessoal. Faltam hoje mais de 3 mil policiais na corporação, número que pode piorar com as aposentadorias previstas.

No dia 20 de junho, representantes da FenaPRF e parlamentares estiveram reunidos com o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. Eles apresentraram dados da Segurança pública e discutiram a situação do baixo efetivo de policiais na corporação.

O vice-presidente da FenaPRF, Dovercino Neto, apontou ao ministro como o atual cenário vem impactando nas unidades operacionais. Segundo ele, havia apenas dois policiais por escala. O representante da federação classificou como gravíssimo o estado da PRF, acrescentando que "aproximadamente 70% das UOPs funcionam com no máximo três policiais", disse.

Neto informou ainda que é de suma importância ter o ministério auxiliando na busca por mais vagas na carreira. Na parte da tarde, o diretor jurídico da FenaPRF, Tiago Arruda, também participou do encontro e informou que inúmeros postos estão sendo fechados ou com efetivo reduzido. Segundo ele, há viaturas e equipamentos à disposição, porém parados. "Um concurso de 500 policiais rodoviários federais terá o mesmo custo que o para mil novos servidores. Seria um desperdício (de dinheiro) formarmos apenas 500 policiais, sendo que o custo para os 1000 é o mesmo", destacou Tiago Arruda.

Fonte: folha dirigida